quinta-feira, 16 de julho de 2009

Sorria: você está sendo manipulado!


Sou jornalista, formada em comunicação social pela UFRN. Sei muito bem que apesar de quererem nos enfiar goela abaixo um discurso de que jornalismo tem que ser imparcial e coisa e tal, mas isso é impossível. É impossível ser imparcial. Isso porque por trás de cada matéria ou texto está toda sua bagagem de vida e as coisas em que acreditamos. Mas existem tomadas de posição que são descaradas demais.

Acabei de assistir ao programa partidário do PSTU. É preciso deixar claro, antes das considerações que não concordo com atitudes tomadas recentemente por este partido ao expulsar nomes históricos de seus quadros. Apesar disso, acredito no socialismo, sou contra a exploração dos trabalhadores e costumo trabalhar para participar de uma mudança efetiva na sociedade. Pois bem, feitas essas considerações, seguem observações.

O programa deixou claro quem está pagando pela crise, que ela não é tão pequena quanto pensam e que as demissões continuam. Mostrou números e matérias da grande imprensa para provar o que estava dizendo. Mas aí o programa terminou e Sandra Annenberg, que está substituindo Fátima Bernardes no Jornal Nacional deu a notícia: foram criados novos postos de trabalho, prova de que a crise está passando. Heraldo Pereira não podia ficar por baixo, a notícia seguinte era de queda na arrecadação do pobrezinho do Governo Federal, ou seja, não tem como fazer nada pelos trabalhadores.

Tá achando pouco? Eles acharam, mostraram que a China, ainda socialista, era o que estava levando o resto do mundo pro buraco e que o clima era tão bom em todo o mundo que todas as bolsas estavam em alta.

Enquanto eu ria sozinha de tamanho descaramento, eles arremataram com uma matéria muito bem feita pela jornalista Giuliana Morrone, que mostrou queda no pedido de seguro desemprego dos Estados Unidos. Isso mesmo, se a maior economia do mundo está reagindo, os bancos voltaram a ter lucros estratosféricos e, pasmem: devolvendo o dinheiro para o estado. Prova de que o capitalismo não depende do estado.

Muito me assustou eles saberem exatamente o que iriam rebater e programar exatamente as matérias certas para “rebater” o que o PSTU tinha acabado de dizer. Mas aí, por coincidência, eu tinha entrado no site do PSTU minutos antes da exibição do programa e já estava lá o programa, na íntegra. É claro que assim é mais fácil. Você sabe exatamente o que vai ter que rechaçar.

Bom, achei que precisava desabafar. Nós jornalistas sabemos bem que a forma como a matéria é feita ela pode ser positiva ou negativa, só é preciso pensar bem qual o lado que está ganhando com isso tudo. Ou você acha que o brasileiro de conhecimentos medianos sobre política e economia vai preferir acreditar num programa de péssima qualidade feito por um partido de esquerda ao invés do grande veículo Jornal Nacional.

2 comentários:

Adriano Espíndola Cavalheiro disse...

Boa observação, vou passar pro PSTU e republica-la no meu blog, que lhe convido a conhecer
http://defesadotrabalhador.blogspot.com/

geografisk disse...

Interessante o que li, pois me faz lembrar um sistema de comunicação aqui da Paraíba. O Sistema Correio faz barbaridade em termos de jornalismo, de forma descarada manipula o povo mais simples de forma fácil. Na sua opinião pode um deputado ser dono de uma emissora de TV? Isso não deveria ser proibido, pois ele sempre vai puxar a sardinha pra o seu lado. E é isso que ele faz.