segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Dos excessos das campanhas

Depois de curto, porém tenebroso inverno, somente uma raiva bem grande para me tirar da inércia e me fazer voltar a postar por aqui. Pois bem. Creio eu que estamos no século 21. Pode me corrigir quem quiser. Mas isso pressupõe que estamos evoluindo. (Será?). O problema diz respeito a falta de “respeito” das pessoas, e as eleições conseguem deixar isso mais evidente.

Domingo de sol. Em Natal. A noiva do sol. Enfim, perfeito para ir para a .... praia, claro. Mas vejam só que eu não posso ter essa opção. Simplesmente por que um playboy, candidato a vereador, resolveu fazer uma carreata e parar bem na rótula que dá acesso a praia do Meio (a mais próxima da minha casa). Ele sim, envolvido na Operação Impacto, ele sim, depois de passar quatro anos comendo o dinheiro das verbas de gabinete, que EU e você pagamos. Ele sim, pode dizer se eu posso ou não ir à praia.

Lógico que o fato de ser essa a pessoa responsável pela “carreata”, fez minha raiva quadruplicar. Mas se fosse qualquer outro candidato, acho que também ficaria indignada. Caramba. Todos têm direito de expor seus pensamentos, vontades ou que mais quiserem, mas desde que não ultrapassem o limite do respeito ao próximo. Até hoje não entendi muito bem a função de uma carreata, mas deviam existir regras claras para elas como: trafegar em vias largas para permitir que quem não tem nada a ver com aquilo passe direto; horários em que quase ninguém saia de casa; menos barulho; e sobretudo, não poder parar para atrapalhar o trânsito.

Será que é pedir demais?

3 comentários:

Anônimo disse...

adoro esses "CANIDATOS"RSSS
bj

Adriana Amorim disse...

Você tem toda razão, Ana! Esses ditos candidatos -- na verdade, não 'peões' - vide meu blog para entender o que quero dizer. rs -- também impuseram alterações nos meus planos de domingo. Passei mais de 15 minutos atrás de uma carreata, quando tudo que queria era uma água de coco na beira da praia com meu cachorro. Acabei desistindo do passeio, já que, nesse pequeno-longo percurso, tive a aportunidade de presenciar dezenas e dezenas de idiotas proporcionando toneladas de lixo sonoro aos pobres ouvidos que nada tinham a ver com aquela desordem toda...

* Fds em Santa Rita, é isso mesmo?

Beijos!!!

Adriana Amorim disse...

muié, tá na hora de alimentar o brog, não acha? quer matá-lo de fome?

* quero conhecer Gilda!

;)